Os Desafios da Comunicação Interna em Empresas

Planejamento e uso de tecnologia são alguns dos aliados para vencer os desafios da comunicação interna em empresas.

Autor: Comunicação New Way

Os desafios da comunicação interna em empresas

Em recente pesquisa, a Gatehouse, uma agência focada em endomarketing no Reino Unido, identificou os desafios da comunicação interna em empresas.

Chamada State of the Sector, a pesquisa abarcou mais de 300 organizações em 70 países. Dentre as organizações, um terço delas contava com mais de 10 mil colaboradores, enquanto 46% possuíam entre mil e 10 mil funcionários.

Resumo dos dados obtidos sobre comunicação interna

As 5 principais atividades apontadas pelos pesquisados, no que tange a comunicação interna, foram, respectivamente:

  1. Transmitir anúncios da corporação.
  2. Apoiar os colaboradores a compreenderem as estratégias da empresa.
  3. Engajar os profissionais.
  4. Estimular o diálogo entre colaboradores.
  5. Auxiliar em mudanças na organização.

As 3 formas mais citadas sobre como essas empresas realizam seu planejamento em comunicação interna foram:

  1. Plano anual com descrição das atividades-chave.
  2. Acompanhamento de canais de comunicação através de quadro descritivo.
  3. Relatórios com as atividades de comunicação interna, e seus impactos.

Um dado preocupante: 20% das empresas não realizam acompanhamento das atividades planejadas para comunicação interna.

Os desafios da comunicação interna

Diante dos resultados apontados pela pesquisa e reconhecendo situações equivalentes em boa parte das empresas no Brasil, é possível levantar 5 dos principais desafios para a realização de uma comunicação interna efetiva e eficiente nessas corporações, bem como identificar caminhos para a melhoria desse cenário. Vamos a eles:

1. Falta de recursos e planejamento

A pesquisa mostrou que a maior parte das empresas ainda investe poucos recursos, ou os investe de maneira pouco estratégica, quando se trata de comunicação interna.

Parte das corporações que se preocupam em realizar algum planejamento acabam não estabelecendo rotinas de acompanhamento para alcance de resultados.

Diante deste cenário, é preciso voltar as energias para dois pontos:

O primeiro é trabalhar o convencimento, junto aos cargos de comando da empresa, sobre a importância de se investir e acreditar no potencial de um trabalho bem realizado de comunicação interna.

Esse convencimento deve ser amparado por dados, baseado em cases de outras empresas, pesquisas de mercado, pesquisas internas etc.

O segundo ponto é construir um planejamento estratégico, a curto e longo prazos. Mesmo diante da escassez de recursos, é preciso fazer o melhor com o que se tem. Defina metas por período, realize o acompanhamento das ações e verifique sistematicamente os resultados parciais, para que seja possível rever estratégias sempre com o timing certo, evitando a perda de investimento, de tempo, esforços e, principalmente, de que você desvie do caminho para alcance dos objetivos principais.

2. Comunicar a estratégia e os valores da empresa

Mais um dos desafios da comunicação interna, essa é outra grande dificuldade apontada na pesquisa. Definida a estratégia e os valores da empresa, gestão e equipe de comunicação interna não conseguem fazer com que a empresa, de ponta a ponta, entenda e pratique a missão, a visão do negócio.

Um modo de vencer esse desafio é construir missão, visão, valores e estratégia de atuação envolvendo o máximo possível de colaboradores em todo esse processo, para que se sintam parte atuante e responsável, compreendendo e assumindo a importância do papel que exercem dentro da cultura organizacional.

3. Evoluir a pouca habilidade de comunicação das gerências e outros cargos de liderança

Apontado por quase 60% dos entrevistados como um dos grandes desafios da comunicação interna, é bastante comum no mundo corporativo o “não se fazer entender” por parte dos cargos de alto escalão.

Mesmo diante disso, apenas 30% dos profissionais de comunicação interna disseram incluir estratégias em seus planejamentos para melhorar essa habilidade em seus chefes.

Para resolver esse problema, é responsabilidade da comunicação interna colaborar com seu conhecimento e suporte, apresentando ferramentas, aplicando treinamentos, dentre outras ações que colaborem nesse ponto tão delicado dentro das corporações.

4. Personalizar a comunicação e dar protagonismo ao colaborador

Outro importante desafio da comunicação interna levantado pelos times de endomarketing foi “falar a mesma língua do colaborador”. Mas para que isso seja possível, é preciso, antes de mais nada, conhecer ao máximo possível cada membro, dentro de todas as equipes.

Todo colaborador, mesmo dentro de empresas gigantescas, precisa ser enxergado, atendido, ouvido e compreendido. É preciso trabalhar ações contínuas que estimulem a sensação de pertencimento e protagonismo em cada um.

Dinâmicas, ações colaborativas, ativismo social, comunicação aproximada e individualizada nos momentos importantes da vida de cada um, feedbacks contínuos, dentre outras ações, precisam fazer parte do planejamento estratégico da área de comunicação interna.

5. Melhorar os canais eletrônicos/digitais e investir em tecnologias de comunicação

Para realizar todas essas ações de forma organizada e estratégica, uma boa área de comunicação interna precisa contar com ferramentas tecnológicas que apoiem os processos e permitam controle e alcance em larga escala.

Imagine, por exemplo, o desafio de uma empresa com milhares de colaboradores, em diferentes sedes, de fazer com que todos estejam alinhados quanto à cultura organizacional, aos objetivos macro, e ainda estimular sistematicamente o sentimento de pertencimento nessas pessoas.

Hoje, além do uso já tradicional dos canais eletrônicos/digitais, como o envio de e-mails, empresas de todos os portes podem investir em soluções de relacionamento inteligente e omnichannel, que organizam e centralizam as comunicações, por diferentes meios, com seus funcionários.

Com esse tipo de solução, é possível realizar campanhas de forma estratégica, por diferentes canais, posicionando os times (por maiores que sejam) sobre tudo o que é necessário, desde situações simples do dia a dia, como um aviso geral sobre desconto de banco de horas, até campanhas mais complexas, a longo prazo, sobre uma mudança estratégica de posicionamento no mercado, por exemplo.

Essas ferramentas são capazes de medir o alcance e a efetividade dessas interações, gerando relatórios com informações relevantes e individualizadas, que servem de apoio para tomadas de decisão sobre os rumos da comunicação interna de uma empresa.

E para você? Quais os desafios da comunicação interna de sua empresa? Precisa de apoio para realizar uma análise de cenário e entender como a tecnologia poderá apoiar e evoluir suas ações de endomarketing?

Então converse conosco. Nós queremos ser o seu parceiro nesta jornada!

Postado em: 05/06/2017.